28/10/2014

Sopra o vento

Sopra o vento
Segura-te borboleta!
Na pétala da flor.

Rodrigo A.Siqueira

Mariposa


Ó tu do meu amor fiel traslado
Mariposa entre as chamas consumida,
Pois se à força do ardor perdes a vida,
A violência do fogo me há prostrado.
Tu de amante o teu fim hás encontrado,
Essa flama girando apetecida;
Eu girando uma penha endurecida,
No fogo que exalou, morro abrasado.
Ambos de firmes anelando chamas,
Tu a vida deixas, eu a morte imploro
Nas constâncias iguais, iguais nas chamas.
Mas ai! que a diferença entre nós choro,
Pois acabando tu ao fogo, que amas,
Eu morro, sem chegar à luz, que adoro.

Gregório de Matos

Sympetrum striolatum

Esta libélula chama-se Sympetrum striolatum e é uma fêmea. Não sei se será sempre a mesma pois voavam duas uma perto da outra. Poisavam aqui e ali e eu ia fotografando. Até que uma demorou mais tempo e ia-me sobrevoando, não se afastando muito. Poisou num ramito. Aos poucos aproximei o meu dedo dela. E, como acontece com as borboletas, foi colocando a patita uma a uma como esperando alguma reação negativa da minha parte. Ganhou confiança e subiu. Esteve bastante tempo no meu dedo. Depois das fotos tiradas voltei a colocá-la no sítio onde estava e, pela 1ª vez, tive uma libélula fazendo parte de mim.



17/10/2014

Papilio machaon

Já há muito tempo que não o fazia. Hoje subi bem lá no alto do pinhal. Senti o teu toque quando lá cheguei. Ficaste ali à minha frente, poisada, como esperando da minha parte uma reação. Baixei-me e não te mexeste. Estendi-te o meu dedo e tu tateaste-o como não sabendo das minhas intenções.

Olhaste para mim e colocaste uma pata. Depois outra e mais outra. Levantei-te! O vento soprava forte mas sentiste-te segura ali no meu dedo. Olhámos em redor como guardando aquele momento como se fosse único. Virei-te e olhos nos olhos fitámo-nos por largos instantes.

Depois docemente depositei-te no mesmo local onde pouco antes tinhas subido. Ficaste ali ainda mais uns instantes como se esse momento fosse imensurável.

Abriste as tuas longas asas e voaste rumo ao céu infinito.

Desci o pinhal e foi como se revivesse de novo. Continuo em paz comigo mesmo!


Metamorfoses

"Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses."

Rubem Alves



15/10/2014